Casos de diabetes são cada vez mais comuns entre crianças e adolescentes, é o que aponta um estudo recente da SEARCH for Diabetes in Youth. Por isso, pais e familiares devem estar bem informados desde os sinais de diabetes até como é a vida e o tratamento daqueles que têm a doença.

A informação é uma poderosa aliada para a prevenção, diagnóstico e tratamento dos sintomas da diabete infantil, permitindo que esses jovens cresçam com saúde, disposição e mantenham a sua qualidade de vida sempre.

Pensando nisso, desenvolvemos este guia com tudo o que você precisa saber sobre a diabetes, aprender a identificar sintomas, sinais e conhecer os caminhos para garantir que a doença não se transforme em um problema. Acompanhe!

 

A diabetes infantil no Brasil

Segundo informações da Federação Internacional de Diabetes, o Brasil é o terceiro país do mundo (atrás dos EUA e da Índia) com mais casos de diabetes tipo 1 entre os jovens (pessoas com idade inferior a 20 anos).

A diabetes mellitus tipo 1 está associada a fatores genéticos que comprometem o funcionamento das células beta do pâncreas, afetando a capacidade do organismo em produzir insulina e controlar os níveis de glicose no sangue.

Essa é a condição mais comum entre as crianças e os adolescentes. Porém, casos da diabetes tipo 2 — condição comumente ocasionada por fatores como a obesidade, o sedentarismo e a maus hábitos alimentares — está se tornando mais frequente em indivíduos jovens.

Não sem motivo, a Organização Mundial da Saúde tem se mobilizado para alertar para o crescimento dos índices de obesidade infantil no Brasil e no mundo, apresentando diretrizes para combater o problema que, dentre outras complicações, pode levar ao surgimento do diabetes.

 

Os sintomas de diabetes em crianças e adolescentes

Crianças nem sempre conseguem perceber e comunicar desconfortos ou alterações que possam representar sinais de diabetes, enquanto alguns adolescentes escondem problemas por não quererem demonstrar algum tipo de fraqueza ou simplesmente por desconhecer sua relevância.

Assim, é importante que os pais ou responsáveis estejam atentos aos sinais e sintomas de diabetes em crianças e adolescentes para, então, buscar orientação médica.

Os principais sintomas da diabete infantil são:

  • aumento da sede e da frequência das idas ao banheiro para urinar ― o excesso de glicose na corrente sanguínea causa a retirada de líquidos dos tecidos, provando mais sede e mais vontade de urinar;
  • problemas de visão ― a perda de líquidos também afeta os olhos, podendo deixar a visão mais embaçada;
  • aumento incomum da fome ― sem insulina suficiente, a glicose não é devidamente transportada pelo organismo, ocasionando queda da energia e provando mais fome;
  • alteração do peso ― crianças e adolescentes com diabetes tipo 1 tendem emagrecer mesmo comendo mais em razão do desequilíbrio causado pela falta de glicose e energia enquanto o ganho de peso está diretamente associado à ocorrência de diabetes tipo 2;
  • aumento do cansaço e da irritabilidade ― a falta de energia afeta a disposição e o humor;
  • infecções mais frequentes e cicatrizações mais lentas ― a resistência do organismo, assim como sua capacidade de cura são afetadas pela diabetes.

 

Os testes e o diagnóstico da diabetes infantil

Uma vez reconhecidos os sintomas de diabetes em crianças e adolescentes ― e vale ressaltar que o indivíduo não precisa apresentar todos os sinais de diabetes que foram listados anteriormente ― é importante procurar atendimento médico para a realização de testes que confirmem ou não o diagnóstico e direcionem para o tratamento correto.

Os testes para detectar a diabetes são feitos por meio da coleta de sangue. Em laboratório, podem ser realizados o exame de sangue em jejum e o de hemoglobina glicada para que sejam conhecidos os níveis de glicose e alterações relacionadas à produção ou uso da insulina pelo organismo.

Ainda, o teste de tolerância à glicose pode ser feito para um diagnóstico mais preciso, sobretudo quando os resultados do exame em jejum apontam alterações.

Os resultados devem ser sempre analisados pelo profissional da medicina responsável por acompanhar a criança ou adolescente, garantindo a interpretação correta. Quanto mais cedo o diabetes for diagnosticado, maiores as chances de ter eficácia no controle da doença e evitar complicações futuras.

 

Tratamento e controle da diabetes infantil

Uma vez que os testes comprovem que os sintomas da diabete infantil estão, de fato, relacionados à doença, o médico vai orientar o tratamento de acordo com o tipo da diabetes e com as características de cada criança ou adolescente.

Em alguns casos, o tratamento e controle da diabetes infantil envolve o uso de medicamentos, enquanto outros demandam uma poderosa mudança de hábitos. Em comum, está a necessidade de manter o acompanhamento médico e de uma equipe multidisciplinar (nutricionista, educador em diabetes, enfermeiro, psicóloga) frequente para assegurar a conquista dos melhores resultados.

 

Insulina e outros medicamentos

A aplicação de injeções de insulina e o uso de medicamentos orais costumam ser a preocupação mais comum dos pais e responsáveis de jovens diagnosticados com diabetes.

O tratamento com insulina geralmente só é indicado para aqueles que possuem diabetes tipo 1, sendo a frequência das aplicações e a necessidade de outros medicamentos condicionadas à avaliação e orientação médica.

 

Alimentação e atividade física

A disponibilidade de fast foods e do tempo junto a aparelhos eletrônicos favorece o aumento do consumo de alimentos ricos em gordura e açúcares e a diminuição da prática de atividades físicas. Um cenário que está diretamente relacionado ao aumento dos casos de diabetes tipo 2 em crianças e adolescentes.

É fundamental manter uma alimentação balanceada e diversificada. Deve-se equilibrar o consumo de proteínas, carboidratos e gorduras, sem necessidade de restrições. Com o tempo o paciente e sua família aprendem como cada alimento interfere na glicemia e qual a melhor forma de serem consumidos.

A reeducação alimentar e a busca por atividades físicas para combater o sedentarismo podem ser considerados tratamentos para prevenir ou controlar a diabetes tipo 2, uma vez que a tipo 1 é uma doença de origem autoimune.

Porém, vale ressaltar que investir em uma vida mais saudável também traz resultados globais positivos que favorecem o tratamento daqueles que possuem diabetes tipo 1.

 

A vida de crianças e adolescentes com diabetes

Após o diagnóstico do diabetes, muitos pais temem que seus filhos jamais terão uma vida normal como as outras crianças, pelo fato de terem restrições alimentares e necessitares de múltiplas aplicações de insulina ao longo do dia, como no caso do diabetes tipo 1.

Felizmente, a vida de crianças e adolescentes com diabetes não é dramática como parece. Caso seja mantido um bom controle de glicemia, o jovem com diabetes pode manter padrões normais de vida, tal como outras crianças da mesma idade (a nível educacional, profissional e social). Os cuidados com alimentação balanceada e a prática de atividade física são fundamentais para uma vida mais saudável.

Até mesmo o tratamento daqueles que precisam da insulina já é mais simples e indolor em razão de novas tecnologias como o lancetador (que faz um rápido furinho do dedo) e o medidor de glicose portátil.

Caso você detecte sinais de diabetes em alguma criança ou adolescente, busque apoio profissional na certeza de que o diagnóstico precoce e o devido acompanhamento são garantia de uma vida saudável e sem complicações.

 

Este post ajudou você a entender melhor a diabetes infantil? Assine nossa newsletter e receba outros conteúdos sobre a saúde de quem tem diabetes!

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *
You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>