Conviver bem com a diabetes é possível. Para isso basta tomar alguns cuidados, com adotar bons hábitos alimentares, praticar esportes e monitorar constantemente os níveis de açúcar no sangue. Nesse contexto o glicosímetro, ou aparelho para medir glicose, se faz fundamental na vida de quem tem diabetes.

Também conhecido como medidor de diabetes, o aparelho deve  funcionar perfeitamente e com precisão para que você não erre na hora de tomar decisões para corrigir quadros de hiperglicemia (excesso de açúcar no sangue) e hipoglicemia (falta de açúcar no sangue).

Continue lendo para entender melhor quais os principais cuidados que você deve ter com o seu aparelho para medir glicose. Vamos lá!

 

Como funciona o medidor de glicemia?

Para que o glicosímetro consiga fazer a leitura do nível de glicose no sangue é preciso utilizar, também, uma lanceta descartável e uma fita reagente. Com a lanceta o paciente faz um pequeno furo na ponta de um dos dedos, insere a fita no aparelho e, em seguida, uma gota de sangue.

Na grande maioria dos dispositivos essas fitas possuem contêm reagentes químicos (glicose oxidase ou peroxidase). Esses elementos causam uma reação química quando entram em contato com o sangue, alterando a cor da fita. A fita entra, então, em contato com um aparelho que mede a intensidade de luz na amostra (reflectômetro).

Uma vez que a cor nova apareça, o aparelho pode utilizar os métodos fotométrico ou amperométrico para identificar a intensidade da reação e calcular o nível de açúcar no sangue para apresentar no visor eletrônico. É com base nesse dado que a pessoa com diabetes tomará decisões como a ingestão de alimentos ricos em açúcares (hipoglicemia) ou a aplicação de insulina nos quadros de hiperglicemia (quando recomendada pelo médico).

 

Os riscos da falta de cuidado com o glicosímetro

A intensidade de uso do medidor de diabetes varia de acordo com o tratamento. Há quem precise fazer múltiplas medições em um dia, como no caso da diabetes tipo 1, enquanto outras pessoas precisam acompanhar a variação dos níveis de glicose uma ou duas vezes ao dia.

Em ambos os casos é fundamental ter cuidado com o aparelho, guardar bem as fitas reagentes e se necessário utilizar a solução controle para calibrar o aparelho. A falta de cuidado pode fazer com que o glicosímetro apresente dados errados, seja por um problema técnico ou erro na reação química da fita.

Agora que você já entendeu como o aparelho funciona e como é perigoso basear suas decisões em uma leitura equivocada, preste bastante atenção nesses cuidados que você deve ter com seu medidor:

 

1. Na hora de guardar o glicosímetro

Assim como qualquer dispositivo eletrônico, o aparelho de medir glicose também exige cuidados no seu armazenamento. Na hora de escolher onde vai guardar o seu kit evite locais muito úmidos e quentes, como o banheiro ou a cozinha.

Enquanto a umidade pode causar falhas nos componentes eletrônicos, possibilitando o mau funcionamento do aparelho, o calor pode influenciar as reações químicas que ocorrem nas fitas reagentes, fazendo com que a leitura possa estar equivocada.

Uma boa dica é utilizar uma bolsa ou embalagem que proteja o kit (glicosímetro, lancetas e fitas) de qualquer impacto. Quedas e choques também podem contribuir negativamente para o funcionamento, portanto o melhor é não arriscar!

 

2. Na hora de utilizar o medidor de glicose

Na hora de utilizar o aparelho para medir glicose também é muito importante que você tome alguns cuidados básicos para não interferir nos resultados obtidos. Confira os principais:

 

  • Lave bem as mãos – caso resquícios de alimentos, bebidas e até mesmo o álcool de higienizar as mãos entrem em contato com as fitas reagentes o processo pode ser comprometido e os resultados alterados; 
  • Fitas e aparelho do mesmo fabricante – a maioria dos glicosímetros disponíveis no mercado funcionam apenas com as fitas reagentes da mesma marca. Portanto, não arrisque! Leia o manual e escolha sempre as fitas indicadas para o seu aparelho; 
  • Utilize a solução de controle –  essa é uma ferramenta importante para garantir a qualidade dos resultados apresentados pelo aparelho. O ideal é que o paciente utilize a solução sempre que desconfiar de mau funcionamento ou quando abrir uma nova caixa de tiras reagentes.

 

3. Cuidados específicos no verão

Como o Brasil é um país de clima tropical, o verão exige mais cuidados tanto com o glicosímetro quanto com as tiras reagentes, principalmente para quem precisa realizar diversas medições ao longo do dia. Isso porque essa é a época do ano com maiores temperaturas e altos níveis de umidade relativa do ar.

Assim como é preciso tomar cuidados com a insulina no calor, as tiras reagentes também precisam ser armazenadas corretamente. Evite deixar o seu kit no carro, principalmente quando ele estiver estacionado no sol e tente levá-lo sempre com você.

Utilize o estojo ou embalagem recomendada pelo fabricante e, caso suspeite de mau funcionamento, utilize a solução controle para calibrar o equipamento. Se mesmo assim você ainda desconfiar dos valores apresentados, busque auxílio especializado ou compre um novo glicosímetro. O mais importante é não arriscar a saúde!

 

4. Leia o manual e consulte sempre o fabricante

A maioria dos glicosímetros possuem alertas para quando o aparelho apresenta algum defeito ou então quando é submetido a temperaturas acima do aceitável. Mas, para que você consiga entender os sinais apresentados é fundamental ler o manual do usuário.

Além disso, o material normalmente apresenta tutoriais importantes para a utilização correta do medidor de diabetes, quais as tiras reagentes que podem ser utilizadas e, também, como é a melhor maneira de usar a solução de controle para calibrar o equipamento.

Caso você tenha dúvidas ou se o aparelho apresentar defeitos, não hesite em acionar o fabricante. O mais importante é ter a certeza de que as medições estão corretas para que você possa acompanhar os níveis de glicose, tomar decisões corretas e conviver bem com o diabetes!

 

Controlar a glicemia é uma parte importante do controle do diabetes. Gostou do material? Então compartilhe em suas redes sociais e confira um artigo completo com dicas exclusivas para não errar no controle de glicemia!

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *
You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>